RJ – Com luxo e imponência a Águia de Madureira sofre com problemas de evolução

A Portela foi a segunda escola a desfilar neste sábado (23), apresentando o enredo “Igi Osé Baobá” desenvolvido pela dupla de carnavalescos Renato Lage e Márcia Lage, trazendo para avenida a história da árvore africana, que é símbolo de ancestralidade e religiosidade. Um desfile composto por fantasias e alegorias luxuosas.

A proposta da comissão de frente dos coreógrafos Leo Senna e Kelly Siqueira representava a origem dos Baobás, mostrando o retorno às origens africanas através do encontro com os antepassados. Os integrantes apresentaram uma encenação retratando um ritual em memória aos escravizados. O primeiro casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira, Marlon Lamar e Lucinha Nobre, encantou o público com a perfeição de suas performances, com um bailado clássico o casal se apresentou em perfeita sintonia. O figurino do casal representava a ligação do baobá entre o céu e a terra.

Foto: Riotur

Com problemas em sua evolução, a azul e branca de Madureira teve problemas com seu abre-alas para entrar na Avenida, surgiu um clarão que a harmonia conseguiu solucionar antes de chegar na primeira cabine de julgadores. Entretanto, outros clarões foram observados durante o desfile da escola.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp