RJ – Grande Rio, Mangueira, Beija Flor, Vila Isabel, Viradouro e Imperatriz fazem a festa das campeãs na Sapucaí

As seis melhores escolas do Grupo Especial do carnaval do Rio voltaram à Sapucaí neste sábado (25), para o tradicional Desfile das Campeãs.

Sexta colocada, coube ao Acadêmicos do Grande Rio abrir a noite. A tricolor de Caxias reapresentou . o enredoÔ Zeca, o pagode onde é que é? Andei descalço, carroça e trem, procurando por Xerém, pra te ver, pra te abraçar, pra beber e batucar!, desenvolvido pela talentosa dupla de carnavalescos Leonardo Bora e Gabriel Haddad.

Segunda maior detentora de títulos do carnaval carioca, com 20 campeonatos, a Estação Primeira de Mangueira foi a segunda escola da noite. Com um dos melhores sambas do ano, a verde e Rosa levou o enredo “As Áfricas que a Bahia canta, assinado pela dupla de carnavalescos, Annik Salmon e Guilherme Estevão. A dupla já renovou com a escola para o projeto do carnaval de 2024.

A Beija Flor de Nilópolis veio a seguir. A azul branca de Nilópolis foi a quarta colocada em 2023 cobrando igualdade, através do enredo “Brava Gente! O grito dos excluídos no Bicentenário da Independência”. Após o resultado, a Deusa da Passarela dispensou o carnavalesco Alexandre Louzada que dividiu com André Rodrigues o desenvolvimento artístico do tema.

Terceira colocada, Unidos de Vila Isabel levou o surpreendente visual, em alegorias e fantasias criadas por Paulo Barros, do enredo “Nessa Festa, Eu Levo Fé!”. O enredo celebrou a capacidade humana de ter fé naquilo que não vê e de transformar esse sentimento em comemoração mundo afora.

A Unidos do Viradouro faturou o vice campeonato neste ano. A escola de Niterói se baseou no livro “Rosa Egipcíaca: uma santa africana no Brasil“, de Luiz Mott, para contar a vida de Rosa Maria Egipcíaca da Vera Cruz, considerada a primeira mulher negra a escrever um livro no país. Desenvolvido pelo carnavalesco Tarcísio Zanon, o enredo também destacava o pioneirismo da personagem, em importantes aspectos de sua história, onde foi escravizada, meretriz, feiticeira, beata e escritora.

Com elenco inteiro com contrato renovado, a grande campeã de 2023, a Imperatriz Leopoldinense encerrou os desfiles da noite. Após rebaixamento sofrido em 2019, A Rainha de Ramos faturou sua nona estrela com enredo, do carnavalesco Leandro Vieira, inspirado nos cordéis nordestinos que contam histórias sobre a chegada de Virgulino Ferreira da Silva, o cangaceiro Lampião, ao céu e ao inferno.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp