RJ – Salgueiro divulga fantasias do seus “Delírios de um Paraíso Vermelho”

O Acadêmicos do Salgueiro divulgou, nesta quinta feira (29/12) fantasias, das alas da comunidade, que vão ilustrar o enredo “Delírios de um Paraíso Vermelho”, tema com o qual a vermelha e branca do bairro da Tijuca pisará a Marquês de Sapucaí no dia 19 de fevereiro, defendendo mais um título para sua história.

Ala 02 – Anjos e Demônios

Todo grande herói tem pela frente um poderoso antagonista. No avesso do paraíso protegido pelos anjos, os demônios fazem a farra e planejam a tomada do poder. Quem será o vencedor na épica batalha do bem contra o mal pela obediência e fidelidade dos homens?

Ala 03 – Te Devoro (Gula)

O sabor do pecado que escorre pela boca é um prato cheio para as más línguas. Se a gula é um defeito, quem irá apontar?! Deite e role no banquete e devore a censura. Pecado é não se deixar envolver pelos prazeres do paladar.

Ala 10 – Cavaleiros do Apocalipse – Galope do Fim dos Tempos

Diante dos desvios da humanidade, a previsão é de tempo ruim. As escolhas dos homens nos levarão a abrir os selos descritos no livro do apocalipse, de onde se levantarão os quatro cavaleiros que vão arruinar a vida na Terra. Tem o que anuncia a paz de arma na mão, cheio de falsas promessas; outro que é declarado o senhor da guerra, confiante que o exército é o alicerce inabalável do seu poder. Tem, ainda, o cavaleiro da escassez, que controla os meios de produção com tamanha ganância que espalha a fome por todos os cantos. E aquele que deixa seu rastro de morte por onde passa.

A combinação dessas quatro figuras maléficas que transitam entre nós com discursos sedutores e exaltados, asfalta a estrada rumo ao dia do juízo final.

Ala 17 – Salve o Povo do Aiyê: Benditas sejam as Almas Benditas

O povo de santo se encontra no Orum. O mundo espiritual revela a paz que não tiveram sob o julgamento dos homens. Enfrentaram o preconceito e a violência. Esconderam suas roupas brancas dos varais com medo da extrema intolerância.

Mas ao chegar ao paraíso, seus guias os recebem de braços abertos para lhes dar a calma e a segurança que sempre esteve presente em suas orações. Benditas sejam essas almas de fé com o corpo livre para professar suas crenças.

Ala 23 – As Chaves de Pedro, o Momo

O paraíso perfeito tem clima de festa. Os laços de união entre os homens é motivo para celebrar e cantar e sorrir. Nosso lar tem a cara do carnaval: tem respeito, comunhão e alegria. Tem a fantasia sem pecados e a liberdade sem censuras.

O dono das chaves dessa cidade celestial é Pedro, o Momo. É ele quem abre os portões do paraíso vermelho, recepciona e decreta o início dos festejos.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp